sábado, março 21, 2009

Efêmeros e eternamente juntos... Nem que seja na memória.

Hoje, ou melhor, ontem, acordei com um chamado da cidade do Salvador:" Depressa, vai até ao escritório que ela está te chamando!" Fui, ouvi, ponderei e por um momento eu disse: "não quero mais voltar. O Porto é seguro, mas prefiro um Alegre."
Neste porto eu acabei descobrindo que é bom ser livre; que é bom não ter o que fazer, e que a efemeridade das relações nos deixa com muita saudade, mesmo estando presente no presente.
Nesse alegre porto, o contato com a cultura me reportou para o meu Pernambuco,dado o desconto para à diferença geográfica social e econômica, mas o comportamento das pessoas: simpáticas, prestativas e desconfiadas, como bom pernambucano; isso me fez criar a seguinte frase: "todo pernambucano é um gaudério de coração".
Na eminência de voltar, eu ainda não sei um monte de coisa: ainda não sei que teatro eu quero, que futuro espero, nem que homem serei. Mas vou seguir o conselho do canto alegretense, quando diz: "Segue o rumo do teu próprio coração".

2 comentários:

Celle disse...

voltaremos e o resto...

Rayara disse...

...tentaremos dar conta.